25.7.06

fotos # 19A e # 20A > Segurança


Se é estática a alma,
não vê que o mundo revira,
nem sabe se é gente...


Outro lugar que me interessava era o histórico Teatro Duce, que funcionara na casa de Pascoal Carlos Magno, na curva da rua Hermenegildo de Barros, em frente à praça Glauce Rocha. À sua frente, outra casa marcante, a do próprio senador Hermenegildo de Barros, tudo isto podendo ser conferido nas placas...
O mais interessante, como detalhe, era uma das pequenas estátuas do muro ou do teto, peças que, aliás, são muito comum em tantas casas de Santa Teresa. Mais um motivo para ter seu destaque.
Estas eram acessíveis, bastava subir no muro... Não era uma tarefa das mais difíceis: usando dois paralelepípedos empilhados como apoio e um bom impulso de corpo, até servia como razoável exercício. Problema: convencer o segurança da necessidade absoluta desse esforço extemporâneo...
Demonstra a experiência: é melhor convencer o segurança! Há que contar com o fato de que as pessoas costumam se sentir solidárias a quem foge à mesmice, e ainda lhe dão chance de participar de estranhos eventos cujos fins são vagamente pressentidos ou especialmente imaginados...
Não só me deu a mão para subir no muro, como me segurou pela cintura, para que pudesse, inclinado para fora, colocar o rosto da estátua (o Outono) no lado direito da foto e a casa do velho Hermenegildo, ao fundo, à esquerda.
Dada a dificuldade, achei melhor fazer uma segunda foto, vertical, mas a primeira resolveu o problema...